Home Editorial Rap, a Primeira Batida: Hyphy, o subgênero que tentou quebrar o rap comercial e morreu

Rap, a Primeira Batida: Hyphy, o subgênero que tentou quebrar o rap comercial e morreu

por Arthur Venturi Vasen

Dando sequência a nossa série sobre os mais de 80 subgêneros do rap, já tendo falado anteriormente sobre o Country Rap e o Chap Hop, a coluna Rap, a Primeira Batida fala hoje sobre o subgênero chamado Hyphy.

É importante se dizer que o Hyphy faz parte não só do movimento hip hop, mas se articular com um movimento também chamado de Hyphy. É um subgênero que nasceu nos anos 1990, teve seu ápice nos anos 2000 e logo na sequência começou a decair: alguns MCs ainda estão na ativa e fazendo músicas e muitos elementos do Hyphy foram incorporados pelo público geral do rap, mas os próprios produtores do subgênero entendem que o movimento acabou.

O que é e como surgiu o movimento Hyphy?

De acordo com quem promove e já promoveu o Hyphy, o subgênero foi nomeado pela primeira vez pelo rapper Keak da Sneak. De Oakland (do Estado da Califórnia, costa Oeste dos EUA), o MC era chamado de “hyphy”, uma gíria das quebradas da cidade para falar sobre alguém hiperativo, muito agitado, muito enérgico. O MC disse que recebeu esse apelido desde pequeno por comer muito doce e estar sempre muito agitado. Keak começou no rap com o duo Dual Comitte, com 15 anos, que ganhou repercussão em 1994 por uma participação no EP “The Autopsy” de C-BO.

Com alguns amigos, surgiu na metade dos anos 90 o movimento que depois seria chamado de Hyphy. Vendo que, na costa leste, o rap começou a tocar nas rádios mas de forma muito comercial, a galera das quebradas de Oakland começou a lançar músicas não se importando se elas seriam tocadas ou não. A ideia então era fazer o que se queria sem se importar com a repercussão disso.

Na música, essa despreocupação tem a ver com usar batidas com elementos que não necessariamente combinam entre si, com rimar fora da batida, alternar versos rápidos com versos lentos e tudo o que é considerado proibido dentro do rap mais comercial. Então existe uma vontade de se fugir dos padrões, de testar até onde é possível inovar. A ideia então é curtir e se divertir fazendo música.

Fora da música, existem uma série de coisas (hoje incorporadas no rap como um todo) que foram criações do Hyphy. Uma delas é o ghost ridding: você dirigir, sair do carro com ele em movimento, fazer umas danças enquanto segura o volante por fora e curtir aquele momento.

Outro elementos são os Sideshows: eventos de carros onde os motoristas fazem demonstrações de suas habilidade, por exemplo fazendo cavalo-de-pau (driffting) enquanto a galera em volta bebe, conversa, dança e/ou escuta um som. E a primeira união entre os sideshows e o rap veio através do movimento Hyphy.

Por conta dessa despreocupação com o que é “correto”, com a proposta de simplesmente curtir o momento e de ser um movimento do gueto, o Hyphy é muito próximo do subgênero Crunk, do Sul dos EUA. Inclusive existem muitas gírias parecidas: enquanto a galera do Hyphy diz “to get hyphy” no sentido de “ficar doido, curtir o momento”, a galera do Crunk diz “to get crunk” com o mesmo significado. Outra aproximação se deu com o rapper E-40, que inicialmente fazia Crunk justamente por ter sido apadrinhado por Lil Jon, e algum tempo depois aderiu ao Hyphy.

E isso tudo era visto como contraventor, como subversivo. De acordo com o rapper Mistah F.A.B., era feio colar com a galera do Hyphy, eles eram considerados sem noção, alguém que você deve evitar. Pouco tempo depois muito disso entrou para o maisntream como algo bom e esperado dentro do cenário rap.

Quando o subgênero Hyphy ganhou força?

Enquanto o movimento Hyphy surgiu na metade dos anos 1990, foi no começo dos anos 2000 que o subgênero Hyphy ganhou força.

Um dos passos importantes para isso foram os encontros chamados de “Friday Night Freestyles”: criado por Rick Rock, eram evento realizados nas sextas-feiras onde os MCs deveriam fazer freestyles e os melhores eram tocados durante o resto da festa, que já estava dentro do movimento Hyphy.

A primeira faixa considerada Hyphy foi de Keak da Sneak nos anos 2000: “White T-Shirt, Blue Jeans & Nikes” onde o MC rima bem acelerado, com batidas que não se preocuparam em ser comerciais e com muitos elementos (inclusive no clipe) que não faziam sentido existirem caso fossem pensados para entrar nas rádios e na TV. Ainda assim, a música obteve um sucesso não imaginado nem pelo próprio MC:

Outra grande referência foi o rapper Mac Dre. Preso entre 1992 e 1997 por participar do roubo de um banco, logo que saiu em liberdade começou a gravar uma série de músicas e completou um álbum em pouco tempo. Inspirado na pegada do Gangsta Rao mas já dentro da pegada Hyphy, o MC estourou com os singles “Get Stupid”, “Thizz Dance” e “Feeling Myself”. Assim Dre começou a ganhar muita visibilidade dentro do cenário rap e conseguiu emplacar algumas músicas nas rádios e na MTV, o que era considerado um grande feito na época. Da mesma forma, Dre fazia um bom intermédio entre a nova geração de pessoas do rap e a antiga geração, sendo respeitado por todos. Por conta disso, quando foi assassinado em 2004, o Hyphy recebeu um de seus primeiros grandes golpes.

Foi quando o rapper E-40 chegou na costa leste, já sendo respeitado no sul no cenário Crunk, que o Hyphy chegou em seu ápice. Lançando a faixa “Tell Me When To Go”, produzida por Lil Jon, os MCs do Hyphy chamaram a atenção da gravadora Warner Bros. e nesse momento o movimento ganhou proporções nacionais. Foi nesse momento que Keak da Sneak percebeu que aqueles MCs precisavam de uma identidade: apesar de fazerem coisas parecidas, foi nesse momento em 2006 que o rapper nomeou este movimento de Hyphy.

Outra faixa que ajudou e muito a divulgar o movimento foi a “Blow the Whistle” de Too $hort.

O que causou a queda do Hyphy?

Não existe um consenso sobre o declínio do Hyphy. Cada membro do movimento atribui diferentes motivos e razões para isso.

Na medida em que E-40Lil JonToo $hort conseguiram dar visibilidade ao movimento, isso gerou uma mudança. De subversivo, o Hyphy passou a ser algo considerado positivo e, mais do que isso, passou a vender cada vez mais.

Assim, o DJ Big Von, por exemplo, entende que houve uma falha dos MCs no sentido de se promoverem mais criando mais participações, fazendo turnês e/ou se unindo em grupos ou coletivos de MCs, que seriam possibilidades de firmar o Hyphy para fora da Costa Leste. Não fazendo isso, o movimento explodiu e logo desapareceu por não se manter vivo no cenário nacional.

Keak da Sneak, por sua vez, entende que a falha na verdade foi a falta de uma liderança. Por mais que ele seja considerado o criador e um dos principais agitadores do Hyphy, ele próprio nunca assumiu para si esses títulos.

E-40 acredita que a queda do movimento se deu justamente por sua popularização na região. Assim muitos MCs da costa leste resolveram entrar no Hyphy porém sem talento, na opinião de E-40: eles usavam os mesmos samples várias e várias vezes, repetidamente, e no final das contas tudo ficou muito parecido entre si e cansativo.

Ghazi Shami, um dos criadores da distribuidora de músicas Empire, acredita que a queda veio pelo sucesso ter subido à cabeça dos rappers. Muitos entraram no mainstream, se encantaram com a fama e tanto esqueceram o espírito transgressor do Hyphy em suas origens quanto perderam um espírito coletivo que existia.

Já o Rick Rock discorda de Ghazi e diz que nunca ouve um espírito de equipe no Hyphy. Era cada um por isso e justamente isso realizou o declínio no movimento: sua falta de estruturação interna.

Resumindo…

Hyphy (subgênero do Rap)
Origem: em Oakland (Califórnia) e especialmente em São Francisco. Nasceu como uma resistência aos raps comerciais que estavam nas rádios e tinha uma proposta de valorizar a diversão dos MC’s de simplesmente curtirem bons momentos fazendo música e na sua quebrada, sem se preocuparem se a música deles seria escutada nas rádios ou não de forma que o subgênero estivesse não só articulado ao movimento hip hop mas a um movimento chamado também de Hyphy. O Hyphy hoje não existe mais na opinião dos MCs que construíram o movimento, muito por conta dos MCs terem ganhado destaque, terem atraído dinheiro e não terem lidado bem com isso. Ainda assim, muitos legados foram deixados pelo movimento Hyphy para todo o rap.
Assuntos Abordados: curtir bons momentos, roupas, a vida cotidiana, fumar maconha, valorizar as amizades, fazer sexo, dançar, “pagar de louco”, entre outros.
Elementos Rítmicos e Melódicos: o parte rítmica e melódica nasceu inspirada no Gangsta Rap da época com algumas modificações importantes, especialmente o uso de elementos que aparentemente não combinavam com o rap na época (sons que imitam robôs, por exemplo)’e valorização de sons graves fazendo com que o resultado final fosse mais dançante do que muitos sons produzidos até então.
Criadores e Referências Históricas: Keak da SneakMac DreE-40Too $hort Rick Rock.

You may also like

Leave a Comment

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações