spot_img
terça-feira, abril 16, 2024

Últimos Posts

Brisa Flow fala sobre amor, coragem e autonomia dos povos originários em “Janequeo”

A artista Brisa Flow lança no dia 3 de junho o terceiro álbum de sua carreira intitulado “Janequeo”. “Janequeo” foi uma guerreira do povo originário Mapuche que liderou quatro mil homens na Guerra de Arauco para libertar Wallmapu do genocídio e vingar a morte de seu marido e lonco, Huepotaén. Após conduzir esse exército, foi caçada, nunca encontrada e acredita-se que se transformou em uma encantada da floresta.

A obra, inspirada na história dessa grande mulher indígena, fala sobre amor, coragem e autonomia. Dirigido pela própria cantora, as músicas contam com produções que misturam rap com outras vertentes eletrônicas e de raízes originárias. O disco tem participações nacionais, como Ian Wapichana, Sodomita, Monna Brutal e Victor Prado, e internacionais, como Aby Llanque e Tidus. A obra já está disponível nas plataformas digitais.

Esse disco é sobre narrativas que não sejam só violência e empobrecimento que, infelizmente, é o que nos rodeia. É uma obra para que consigamos ter um pouco de esperança no afeto e na força que nós temos. Acredito que as narrativas das guerreiras não foram contadas justamente para nos enfraquecer, para que nós não tivéssemos referências. Então é um álbum para que tenhamos referência de amor, de coragem e de autonomia, também dentro da indústria musical”, explica Brisa.

Em Janequeo, me atrevi a buscar sonoridades que muitas vezes foram consideradas complexas de se misturar. Eu sou conhecida por fazer música  tecendo meus versos com outras musicalidades e sempre vou trazendo outras vertentes da música eletrônica. Esse disco traz rap com reggaeton, drill, trap, r&b, e house e feats com pessoas que venho desenvolvendo trabalhos e compartilhando vivências.

Abrindo o álbum, “Cerquita” fala sobre como gostamos de dançar juntinhos em Abya Yala. Em seguida, “Besitos” fala sobre  estar apaixonada. A terceira faixa é Making Luv”, já apresentada para o público com videoclipe gravado na Mata Atlântica e que expressa o amor e a coragem entre pessoas originárias. Com participação de Ian Wapichana, “Etnocídio” faz reflexões sobre genocídio dos povos indígenas. Na quinta faixa, “Sol de Outono”, a artista conta um pouco de sua caminhada desde que se mudou para São Paulo. “Bonde das Maloks” traz Monna Brutal e Sodomita e ilustra o encontro dessas artistas incríveis que estão vencendo opressões da cisgeneridade na indústria musical. Em seguida, “Sonhos com serpentes” faz uma crítica a quem ainda acredita que trajes de comunidades indígenas são fantasia. Na oitava faixa, “Marrona Libre”, Brisa e Abi Llanque cantam pela liberdade das mulheres “marronas” sem fronteiras coloniais. A seguir, a canção que dá nome ao álbum, “Janequeo”, aparece como um rezo narrando a história dessa brava guerreira mapuche e de outros guerreiros. Em “Camburi”, há uma analogia ao rio Camburi e a mudança das relações. Amor e companheirismo são temas de “Dentro de Seus Olhos”. “Ayala” exalta as diferentes formas de construir um relacionamento e sobre a cosmologia oral do tarot de Wamam Poma Ayala. E, fechando o álbum, “Originárias” enaltece as mais de 800 etnias de Abya Yala. 

Abya Yala, da língua do povo Kuna, significa “Terra Madura” ou “Terra Viva”. A expressão é utilizada pelos povos originários como o nome próprio da América, sem reconhecer as fronteiras estabelecidas pelos colonizadores.

ÚLTIMOS POSTS

Não Perca