Home Editorial 2003: 50 Cent, o “bandido popular”

2003: 50 Cent, o “bandido popular”

por RiDuLe Killah


[Este artigo foi publicado originalmente em Agosto de 2003 pela XXL]

Deus não poderia ter planejado melhor. 2003 foi o ano de 50 Cent. E é certo que ele ia brotar na XXL Magazine.

Palavras por kris ex
Imagens por Jonathan Mannion

Você gosta de ouvir a história de novo e de novo. Herói dos EUA, um bastardo do gueto e um filho sem mãe, negociou o jogo do crack para o jogo do rep, mexeu com metade de seus artistas favoritos com seu primeiro single e ficou envolvido em uma rixa eterna com Ja Rule. Ele se levantou, mas se levantou e voltou a fazer o seu corre da melhor forma. Ele executou uma campanha de espanto e admiração que colocou mais discos nas ruas do que inquilinos demitidos.

Eminem disse que gostava do estilo dele; Dr. Dre disse que gostava do estilo dele. Ele conseguiu um milhão em seu acordo Shady Records/Aftermath Entertainment, mas ele permaneceu no trabalho árduo. Flanqueado por Dre e Em, ele transformou o jogo em um caos — agredindo o underground e a indústria de música corporativa de um espécime que nunca foi visto antes: a presença de seus CDs independentes da G-Unit; as vendas entorpecidas de sua estreia, “Get Rich or Die Tryin”, seguido de seu DVD que foi Top 5, “The New Breed; as sete entradas simultâneas nas paradas da Billboard Hot 100 Singles. Apesar disso — ou mais provável por causa disso — muitos homens ainda desejaram a sua morte. Então ele personalizou seu Hummer com janelas e portas à prova de balas. Veja, 2Pac foi baleado no assento do passageiro, Notorious B.I.G. foi baleado no banco do passageiro, e agora, 50 sentado no mesmo lugar.

O Herói americano falou sobre as armadilhas da fama, o caminho que ele peregrinou e o [caminho] a seguir. Crianças, saiam dessa entrevista. Está prestes a ficar obscena em um minuto.

XXL: Por que você acha que conseguiu vender tantos registros? 50 Cent: A razão pela qual as pessoas compram os discos de 50 Cent é a mesma razão pela qual eles compram o jornal todos os dias. Não tem nada de bom no jornal. Os caras não querem ouvir coisa boa. Sua vida não está nesse estado. Você tem um país em estado de guerra. Tudo está fodido — e você quer me contar alguma merda positiva? Eu não acho que os caras querem ouvir esses meus registros, com toda a honestidade.

Quando você ouviu pela primeira vez que sua mãe havia morrido?

Acho que minha avó me disse. Eles não explicaram isso. Eles simplesmente me disseram que não voltaria, que eu ficaria com elas permanentemente. Eu sempre estive com elas, mas minha mãe vinha me buscar de vez em quando. Ela estava ralando, então ela estava fora. Você realmente não tem tempo para estar sob as crianças muito quando você trabalha duro. Ela sempre cuidava de mim, minha mãe, mas ela não era tão presente.

Quando fiquei um pouco mais velho, eles começaram a me contar os detalhes. Nunca se sentaram e me contaram. Descobri isso em pedaços. Quando eu tive todas as peças e perguntei a minha avó, ela me contou tudo. Minha mãe foi morta. Eles colocaram algo em sua bebida, ela desmaiou e eles ligaram o gás. Eles cortaram a circulação [do ar em seu apartamento fechando as janelas]. Isso significa que era alguém que estava perto o suficiente. Alguém que você não conhece iria matá-la atirando ou esfaqueando. É simples. O que não é simples é saber quem foi, porque não passei muito tempo ao redor dela.

Como sua morte o afetou?

Eu tinha oito anos. Você sabe o que é quando seus pais não estão voltando às oito. Eu acho que esse foi o início de um ciclo para mim. Ela foi a primeira pessoa ao meu redor, na minha vida, que não estava mais lá. A partir daí, aconteceu rapidamente. Como, um minuto é um homie (amigo; chegado) que você conhece. Ele chutando com você e depois, amanhã, você sai e eles dizem: “Ei, filho, foi atingido na noite passada. Eles dizem que não vão conseguir fazer isso.” E você nunca o vê de novo. Ou esses caras saíram da cidade e um não voltou. E você nunca mais o vê. Depois que minha mãe morreu, essa merda começou. Diante disso, eu estava totalmente na vida como uma criança normal. Não demorou quatro anos e depois disso comecei a fazer merda. Eu fazia o que ela costumava fazer — vendendo drogas e todas essas merdas.

Em 1994, você foi preso duas vezes. Na primeira vez, encontraram 36 frascos de crack e 12 pacotes de heroína na calcinha de uma garota com a qual você estava, Taiesha Douse. Três semanas depois, eles entraram no seu quarto com uma autorização de busca e encontraram um cofre, uma pistola de rajada, 10 frascos de crack, materiais de embalagem, heroína e US$695. O que você pode me falar sobre isso?O que posso dizer é que quando você é preso, nunca diga nada. Não diga uma palavra. Eles fazem perguntas estúpidas. Eu, com a personalidade que tenho, estou respondendo de uma forma que faz com que eles se sintam arrogantes. Eles fazem perguntas como: “De quem é isso?” Eu disse: Você encontrou as drogas em sua cueca — você vai me perguntar de quem é?” Sou assim, de onde você pegou isso? Mas isso é enquanto nós estamos sendo presos. Depois, eles nos separam. E os policiais contam à menina: “Ele já nos disse que era seu.” Ele olha você bem no seu rosto e diz, ‘Aonde você arrumou isso? É dela’”. Eu nunca disse que era dela. Mas eles voltaram e entraram no quarto, conversando com ela por horas. E então isso me levou a chegar em casa. Ela contou toda a situação, porque eles foram lá em casa depois. Eles encontraram 10 frascos, 280 gramas de crack, muita parafernália. Mas eles nos pegaram no final, estávamos terminando. Eles não contaram quanto dinheiro havia, não é?

$695 No meu bolso. Eles não disseram exatamente o quanto tinha de dinheiro lá, porque provavelmente nem sequer se somou quando chegou [ao recinto]. Eu não estava louco, nem estava lá. Isso faria o juiz achar que foi uma situação bem mais séria se eles tivessem dito que tinha US$15,000 na sala. Os policiais recebem US$30.000 por ano, talvez. Mas você não adiciona os 15 que não chegam ao recinto. Como você conseguiu 280 gramas de crack, heroína ensacada, utensílios para arrumar tudo e você só conseguiu US$600 no quarto? Isso sobrará, certo? Um cofre sem dinheiro? É simples, no entanto. O que deveria estar lá para fazer uma convicção estava lá. Fui condenado. Não é necessariamente absoluto que esse dinheiro estava lá, então não estava lá.

Em vez dos três para nove, você tomou sete meses de tratamento de choque no Monterey Shock Incarceration Correctional Facility em Beaver Dams, NY. Como foi isso?

Essa merda, isso te deixa um pouco disciplinado. Passei por todo tipo de terapêuticos. Fui por meio de programas de drogas, todos os tipos de coisa. Se você olhar para o meu registro, eu sou traficante de drogas. Mesmo antes disso, minha primeira prisão foi durante o ensino médio. Fui preso por ir na escola [com drogas]. Realmente estava escondendo as drogas da minha avó. Eu tinha colocado no sapato e peguei os tênis errados quando fui para a escola. Quando você é de onde eu venho, sua escola possui detectores de metal. Nenhum alarme disparou na minha cabeça, porque nem estava pensando em quais calçados eu peguei no saco. Eu coloquei as paradas na frente da minha meia. O desgraçado vasculhava minha bolsa com uma vontade absurda. Também me fez tirar a meia, e logo sacudiu para baixo e as drogas foram rolando para o fundo do sapato. A próxima coisa que você pensa, vou para o fodido recinto e acabei ficando duas semanas fora da escola. Foi quando minha avó e eles receberam a notificação de que eu vendi drogas. Eu começo realmente a sentir, como na minha cabeça, que eu só fui pego porque eu estava escondendo isso deles. Minha avó sempre tentou fazer tudo o que podia para mim. Sneakers (tênis) que custavam US$10 era o que ela trazia para as crianças. Como vou pedir a ela para me dar um par de Air Jordan que custam cem dólares? Não posso, cara. Tenho que ir buscá-lo. Você tenta dizer a uma criança de 12 anos, que está tendo dificuldade na escola, que se ela estudar por mais oito anos, poderá conseguir um emprego, depois trabalhar e pegar o carro que deseja. E a curiosidade desse filho o leva pelo bairro e vê alguém em seu bairro conseguindo isso em seis meses, traficando. Não parece uma das opções, parece ser a única opção.

Você deixou o ensino médio após a prisão? Você foi buscar o seu GED (Gerenciamento Eletrônico de Documentos)?

Foi um desfile de moda para mim depois disso. Eu apareci quando eu tinha roupas novas para vestir. “Eu tenho alguma merda para vestir? Eu vou para a escola na quinta-feira.” Eu peguei meu GED em um programa enquanto eu estava preso. Mas foi porque eu tinha tempo para matar. Eu poderia fazer qualquer coisa que eu colocava na minha cabeça. Acho que estudei por um mês. Uma vez eu disse que ia lá pegar e peguei meu GED, eu fiz isso. Eu pego rápido quando eu quero aprender alguma coisa.

Qual é realmente real com você quando escreve letras? Quanto é o que você realmente acredita e quanto é apenas um valor de choque ou simplesmente soa bem? Você não é realmente, como sua música diz, “High All The Time”.

No que diz respeito a “High All The Time”, os caras ao meu redor constantemente são chapados, constantemente ficam chapados. Eu não estou chapado, porque isso afeta meu julgamento até o ponto de eu acabar na prisão o tempo todo. Você sabe como algumas pessoas fumam e então elas recebem uma pequena paranoia para eles. Essa paranoia é suficiente — com situações anteriores que aconteceram comigo, merda que tem acontecido na minha vida — me faz ser assim. Se é algo que vai acontecer, se algum tiro for disparado, se alguém for esfaqueado, seja lá o que for, eu gosto de ser o primeiro a fazer o serviço ou esfaquear primeiro. Porque eu não gosto de ser uma vítima. Normalmente as pessoas que ficam lá e hesitam é a vítima. Então eu não lido com [maconha], porque isso realmente me deixa viajando fora daqui.

Manancial: XXL Magazine

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações