Home DiscosAlbum Murica mistura o boom bap com a música brasileira em “Sede”
Murica - Sede

Murica mistura o boom bap com a música brasileira em “Sede”

por ZonaSuburbana

MC integrante do selo Puro Suco lança o segundo álbum em carreira solo “Sede”. Há pelo menos dois anos ocupando lugar de destaque para além de Brasília, o rap de Murica chama atenção por valorizar a música e cultura brasileira, mas fugindo da estética do trap, estilo que tem dominado o hip-hop no país.

No início de julho (9), quando lançou “Sede”, álbum que segue o conceito dos instintos humanos também abordados no primeiro projeto (intitulado “Fome), o artista manteve o alto nível das produções, novamente assinadas por MK, parceiro de gravadora. O rapper começou a fazer sucesso ao participar das batalhas do Museu e do Relógio.

Ouça abaixo “Sede”:

Confira agora a entrevista com o MC:

– Este é o seu segundo álbum ambientado no conceito das necessidades humanas: o que te inspirou na criação desse conceito?

A própria existência. No corre de viver de arte, largar a universidade e fazer arte independente, eu me deparei com a fome várias vezes. Foi um pouco do meu orgulho jovem de querer conquistar as coisas, da minha ânsia, da minha fome.Isso fez eu juntar os meus e na raça conseguir matar essa fome. Decidi usar isso pra fazer arte, porque não ganhava dinheiro e nem comia direito. Já a sede, é como se fosse uma fome mais específica, uma necessidade mais sofisticada.

– Como a pandemia do coronavírus influenciou o seu processo criativo?

A pandemia me influenciou de forma que foi inevitável escapar da submersão do disco. Tudo realizado com o mínimo de contato com o exterior. Foi um trabalho totalmente feito sob efeitos da quarentena. É um trabalho bem caseiro e isso serviu para o processo ser mais intenso.

– O que pode revelar do próximo EP da Puro Suco, “Puro Suco e Os Astronautas da Cidade Satélite”?

É um projeto totalmente orgânico. Chama-se “músicas para liquidificador” porque mistura vários ritmos: rock, blues, reggae. Vai ser a nossa primeira experiência com banda também.

– Com a onda do trap e do rap acústico, considera que o boom bap perdeu atraência entre os MCs?

É um reflexo, isso sempre existiu no mundo da música. Enquanto o produto plastificado vai ganhando popularidade, o trabalho real vai ficando pra quem é real. Cada vez mais a vida fica tecnológica e menos real. A nossa fé de quem faz a música real não pode morrer, porque é aí que tá a matriz da arte que a gente acredita.

Creio que o boom bap perdeu a atraência, mas nunca perdeu a força. Quem continua ouvindo, continua mantendo viva a filosofia do “lado B” da música alternativa, da sujeira, do boom bap, do rap com as suas “características originárias”, digamos assim.

Foto: Henrique Correia

– Você tem uma parceria bem firme com o MK, que assinou a produção de seus dois discos. Como é a relação de vocês?

Minha parceria com ele é surreal, de muita intimidade. Quando fizemos música pela primeira vez, parecia que a gente já se conhecia há muito tempo. Hoje em dia, a gente mora junto com a galera da Puro Suco e o PG 400. Foi um reflexo da nossa vivência junto. Costumo dizer que a gente é um navio pirata, de resistência, fazendo nossa música do nosso jeito. É uma relação de muita sintonia, já nem me vejo criando sem ele mais. Diria até que é uma conexão espiritual.

– Sua música também faz referências a religiões de matriz africana: você é adepto de alguma delas?

Conheci a umbanda faz pouco tempo, mas já pratiquei capoeira antes. Sempre fui apaixonado pela música da Bahia, um lugar que ainda não conheci e tenho sonho de conhecer. Eu falo numa letra que “Fazer capoeira me mostrou que embaixo do mar tem areia. Quem me dera aprender a jogar angola lá na Bahia”.

E a capoeira me levou a frequentar a umbanda, que me abriu uma porta da espiritualidade que nunca tinha sido aberta. É uma religião que conversa muito mais comigo, não sei se tem alguma coisa a ver com ancestralidade, mas sinto algo muito verdadeiro, acho muito bonita a experiência.

Ultimamente tenho me relacionado bastante com a umbanda, estudando os orixás, sobre os iorubás e os costumes.

– Qual foi a importância das batalhas de rap pra sua formação como artista?

Toda! Acho que todo mundo que se envolve com rap e hip-hop tem que passar em algum momento pelas batalhas de MCs. Ela ensina a ética da rua do jeito mais aplicado possível, é um dos movimentos mais libertários que existe. Você ocupa uma praça, põe uma competição de palavras pra ver quem rima melhor, que te faz aprender a lidar com a sua emoção.

O cara manda uma rima que acaba contigo e você tem que se superar, engolir o seu ego e inventar uma rima melhor que a dele.

Parece uma batalha de ego, mas na verdade você tá aprendendo a lidar com o seu próprio ego. É lá que você aprende a ética de rua, o que é respeito, ter cuidado para rimar sobre certos assuntos, respeitar as minas que tão na batalha, carregar umas caixas de som nas costas pra fazer o evento acontecer… É o tipo de experiência que todo artista de rap deveria ter no currículo.

– De Quinto Andar a Caetano Veloso e Tim Maia, suas letras costumam fazer referências a artistas nacionais. Com quem gostaria de gravar, se pudesse?

Putz, muita gente. Sem dúvidas seria Cazuza e Caetano Veloso. Também o Jorge Ben, Elis Regina, Los Hermanos… Seria meu sonho gravar com qualquer um desses artistas.

– A cena de Brasília é sempre surpreendente e criativa: além do seu trabalho e dos colegas da Puro Suco, destaca o trampo de mais alguém?

Recomendo Semblunt Mc’s, Pedro Alex, Jean Tassy e O Plantae.

Por: Victor Costa

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações