Home Discos Alemar homenageia o cantor Reginaldo Rossi em EP de estreia

Alemar homenageia o cantor Reginaldo Rossi em EP de estreia

por ZonaSuburbana

A sensualidade e a melodia do R&B se juntam ao desatino e melancolia do brega em “ROSSI”, primeiro EP do cantor e rapper Alemar. O projeto é uma digna homenagem a Reginaldo Rossi, ícone da música brasileira, falecido em 2013. Com 7 faixas, incluindo um interlúdio, o disco tem a sonoridade marcante do trapsoul, gênero mais romântico e menos agressivo do trap. Na parte lírica, as letras sofrem grande influência do Rei, mas com um toque essencial de hip-hop.

O EP foi pensando no ano de 2018, mas só comecei a produzir no segundo semestre de 2019, lá no estúdio DiResponsa, na Zona Norte, por intermédio do meu amigo e produtor Gilberto Ganjaboa. Eu pensei em dar a cara melancólica do Rossi, a dor que só o amor consegue entregar em pratos frios. Ele era o Rei nisso. Cresci ouvindo brega. Na periferia da cidade de Itapevi só rolava forró, brega e rap“, afirma Alemar.

O disco também é acompanhado de um mini documentário, já disponível no YouTube. As imagens revelam detalhes do processo criativo do projeto, produzido por TH, RIFF e Léo Machion. O audiovisual foi dirigido por Adler Alcaraz, com edição de Bruna Barreto.

Uma das coisas que mais admiro nele é a humildade. Normalmente as palavras Rei e humilde não caminham juntas, mas não no caso do Reginaldo Rossi. Ele não media esforços pra poder ir a qualquer lugar do Brasil pra mostrar suas canções. Ele sempre conversou a língua do povo, e no meio deles era o seu lugar preferido para estar. Outra coisa é a genialidade de composição e a forma intensa que ele tratava a música, com uma simplicidade sem igual“.

Cada faixa do projeto se relaciona de alguma forma ao Rei do Brega. O single “Garçom“, por exemplo, tem na composição a narrativa característica do jeitão Reginaldo de ser. Já “Coca-Cola e Rum“, bebida favorita de Rossi, fala sobre o estilo de vida do músico, a rotina de shows e as mensagens que passava ao público com sua arte. “Beber“, com participação de Jhany Oliveira, aborda as indecisões de um relacionamento e da angústia de uma possível separação. O disco tem ainda as canções “Guns“, “Louco“, “Tempo, Palavras e Planos” e o interlúdio “Pulmão“.

“Gostaria de mostrar como as formas de falar de amor e dor são inúmeras e que o brega mesmo que taxado muitas vezes como exagerado é a forma mais simples de mostrar os efeitos da melancolia. E também que temos muitos estilos no Brasil que podem ser misturados com excelência com outros estilos musicais do mundo“, ressalta.

Apesar de ser um tributo, “ROSSI” é autêntico, um verdadeiro disco de R&Brega, como o criador da obra gosta de nomear. Alemar consegue colocar sua identidade em cada som de forma magistral, como se estivesse recebendo o bastão de seu antecessor Reginaldo. Quando o assunto é o Rei, o rapper não esconde o carinho que tem. É seu ídolo máximo na música.

Se eu pudesse conhecê-lo, certamente agradeceria pela inspiração e o chamaria para tomar uma Cuba Libre. Depois ouviria todas as histórias incríveis de vivência dele, que com certeza são muitas“, completa.

Não costumo me rotular somente como um rapper e sim também como um cantor. Sou totalmente influência por música preta da raiz até o mais experimental e faço críticas sociais. Mas, até mesmo em um EP de R&Brega, existe uma dose de rap de mensagem, vocês vão ver!“, finaliza.

You may also like

Leave a Comment

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações