Home Agenda Sarau na Quebrada: O funk como direito cultural e expressão territorial
Sarau na Quebrada: O funk como direito cultural e expressão territorial

Sarau na Quebrada: O funk como direito cultural e expressão territorial

por ZonaSuburbana

O Funk como direito cultural e expressão territorial é 2º live de 4 encontros, que ocorrerá no dia 18 de março, às 20h, entre o mês de março e abril, promovida pelo coletivo Sarau na Quebrada, que nasceu do projeto Direitos Culturais e Direito à Cidade, aprovado ano passado, no edital de Santo André, da Lei Aldir Blanc nº 14.017. Lucas Bola, produtor cultural; Neta Lavor, fotógrafa e produtora cultural; o artista Michael Henrique, Rimador e estudante de ciências humanas, são os convidados do encontro, que será mediado pela articuladora cultural, Gláucia Adriani.

O projeto surgiu da necessidade da criação de estratégias para que haja maior adesão de um público plural nos conselhos participativos, buscando soluções para diminuir a distância entre o poder público e a sociedade civil, seja na comunicação ou em ações direcionadas em prol da sociedade, que pouco pode refletir seus reais interesses devido à sua ausência, se indígenas não participarem, se quilombolas não participarem, se favelados não participarem, dificilmente suas pautas serão levadas em consideração.

O conselho participativo é uma ferramenta de controle social instituído desde 1988 na constituição federal, que permite à sociedade civil, por exemplo, tomadas de decisões sobre o destino da verba pública e a sua fiscalização, elaboração de políticas públicas – que estejam em consonância com aspirações de interesse coletivo – garantindo, assim, uma gestão pública horizontalizada, promovendo o fortalecimento da democracia.

A própria Lei Aldir Blanc, aprovada em junho de 2020,  que destinou 3 bilhões de subsídio para atender trabalhadores da cultura prejudicados durante a pandemia, é um exemplo de controle social, que para melhor interpretação da diversidade cultural e coerência da aplicabilidade da lei, contou com a participação de vários movimentos sociais, entidades, sociedade civil, que foram ouvidos numa esfera nacional.

Embora isso represente um avanço, existem ainda grandes lacunas ao seu falar de controle social, direito à cultura, e direito à cidade – conceitos que, aliás, andam juntos. A cultura consiste por ser um conjunto de atributos identitários, linguagem, indumentária, grupo linguístico, crenças, valores, o que não é alheio ao indivíduo ou grupo, como muitas pessoas erroneamente acreditam, por tanto, defender o direito a cultura, é sobretudo defender o direito à vida, pois pela raça, gênero, classe, pessoas e grupos são assassinadas,  exclusas de espaços públicos, de forma indireta, através de atitudes coercitivas punitivistas.

A discriminação racial, o machismo, lgbtfobia são em suma o espelhamento de uma sociedade organizado apenas para atender um padrão ideário, preetabelecido por uma moral hegemônica, que apenas legitima o que é do seu interesse e não aceita a diversidade cultural, tornando evidente  que o direito à cultura, à cidade, na prática não acontece para todes, desse modo, que são coresponsáveis, primeiro pela morte simbólica, depois pela que mata a carne.

Essa série de live: O direito à cidade a participação social: o hip hop como patrimônio cultural; O funk como direito cultural e expressão territorial; O carnaval como direito e resistência cultural; Direito à cidade e a preservação ambiental propõe um chamamento para expansão do debate.

Lucas Bola

Produtor Cultural, potencializando a cultura da favela. Idealizador da Batalha do Bolinha, uma roda de Funk e Rap, que acontece na Ocupação Nova Titan, Vila Suíça e na Praça Lamartine no Jardim Santo André.

Gláucia Adriani

Educadora social , poeta, agitadora cultural e articuladora  do Coletivo Sarau na Quebrada

Neta Lavor

Fotógrafa e produtora cultural, integrante do Coletivo Literalmente Favela,

Estudante de Cinema, moradora do Jd. Santo André

Serviço:

Onde: https://www.facebook.com/saraunaquebrada

1º live, dia 11/03, às 20h00

O direito à cidade  a participação social: o hip hop como patrimônio cultural

No link:  https://www.facebook.com/events/186850239545225/?ti=ls

2º live, dia 18/03, às 20h00

O funk como direito cultural e expressão territorial

3º live, dia 25/03, às 20h00

O carnaval como direito e resistência cultural

4º live, dia 01/04, às 20h00

Direito à cidade e a preservação ambiental

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações