Home Discos Rômulo Boca lança seu primeiro trabalho solo, a mixtape “Quando o Mundo Acabou era Meio Dia”

Rômulo Boca lança seu primeiro trabalho solo, a mixtape “Quando o Mundo Acabou era Meio Dia”

por ZonaSuburbana

Aguardada pelos fãs desde o primeiro anúncio, a mixtape “Quando o Mundo Acabou era Meio Dia” é um divisor de águas na carreira de Rômulo Boca. Natural de Crateús, interior do Ceará, apegado à leitura desde cedo, ele começou a compor porque sentia a necessidade de se expressar. “Quando o Mundo Acabou era Meio Dia” é o resultado de anos de trabalho e transmite fatos marcantes da vida do artista, mudanças pelas quais ele passou e acontecimentos que o tornaram uma pessoa mais forte e experiente.

Ao lado de Lucas Félix e Wendeus, Rômulo forma o grupo A.L.M.A. (Arma Lírica Musical da Alma), criado em 2013. Ambos foram convidados, assim como Teagacê, Chinv, César Masthif, niLL e Isaac de Salú, para participar de algumas tracks. Os instrumentais são de Machion, Fernando Vários, Jay Beats, Cabine 808, Kriolão, Masthif, Ardlez, Tadela Sérgio Estranho e Rodrigo Zin, que também é um dos feats.

A capa da mixtape é uma fotografia de Rafael Vieira, com edição de Lucas Félix. A ideia de Rômulo a partir dela é que as pessoas consigam “criar” seus próprios conceitos de “caos” diante daquilo que conseguirem ver, sem precisar ser algo “óbvio” demais, mas que cada um observe a partir de sua própria visão.

O título faz alusão a um sonho no qual Rômulo disse a frase para a mãe, dona Francisca Cesário de Almeida. Segundo ele, foi uma resposta psicológica a morte dela, sendo que a perda dela lhe causou a sensação de fim do mundo.

Hoje me sinto como alguém que vive em um mundo que acabou e esse sentimento veio com a morte da minha mãe. Ao mesmo tempo, sinto que me tornei alguém melhor após a morte dela, alguém menos irresponsável comigo e com aqueles que me cercam. Voltei a ter humildade, no sentido de ter pé no chão. Olho para mim e vejo o que represento, em que local estou, sem soberba, sem tirania, sem arrogância, entende? Isso fica evidente nas letras desse CD, fica evidente na odisseia que ele te leva“, explica o artista.

Às vezes ouço esses áudios e choro, mas muitas vezes esses áudios me dão uma espécie de vigor, de energia locomotiva. Então, pensei, ‘Bom, alguém vai precisar ouvir isso também para sentir a mesma coisa e sair do canto’. Ao mesmo tempo é uma forma de homenagear o que ela foi, tirar um peso, tirar um nó, sabe?”.

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações