Home Editorial Profissão Repórter mostra a importância da cultura do funk nas periferias
Profissão Repórter mostra a importância da cultura do funk nas periferias

Profissão Repórter mostra a importância da cultura do funk nas periferias

por RAPLongaVida

Seja jogando bola, fazendo música ou virando artista, brasileiras e brasileiros de todas as partes do país lutam diariamente para alcançar o sucesso e, consequentemente, uma vida melhor para todos ao seu redor (assista na íntegra).

A morte precoce de MC Kevin interrompeu a trajetória meteórica que representa o sonho de milhões de jovens da periferia: ser reconhecido na música, ficar milionário e mudar o destino da família.

Profissão Repórter registrou a comoção no velório do ídolo do funk morto aos 23 anos. Milhares de jovens viraram a madrugada na quadra da escola de samba Unidos da Vila Maria, na Zona Norte de SP, relembrando seus sucessos e se despedindo do artista no bairro em que ele cresceu.

Para conhecer essa realidade e descobrir jovens talentos, o repórter Guilherme Belarmino acompanhou o projeto Revelação da Favela”, idealizado pela produtora audiovisual Love Funk. Todos os dias, diretores da empresa fazem um sorteio em uma praça na Zona Leste da capital e dão oportunidade a um MC que, no mesmo dia, ganha a produção de uma música autoral e a gravação de um clipe.

MC Mayk, de 28 anos, vencedor no dia em que a reportagem foi gravada, retrata a vida na periferia em suas letras, reforçando a ideia de persistência atrás do sucesso.

Estreando como videorrepórter, Maycom Mota acompanhou os irmãos Marcelino Melo (Nenê) e Maxuel Melo, alagoanos que moram na Zona Sul de São Paulo e o jovem Guilherme Camargo. Os três fazem um curso de audiovisual gratuito para jovens da periferia.

O produto final do curso foi a realização do videoclipe do rapper, poeta e escritor Cocão, A Voz, integrante do grupo de rap Versão Popular. Muitos dos jovens tiveram contato pela primeira vez com as etapas de criação de um produto audiovisual.

Enquanto os alunos iniciam seus estudos no audiovisual, o jovem diretor criativo da produtora Kondzilla, Kaique Alves, de 23 anos, mostra como é chegar ao topo do mercado de videoclipes musicais.

Ele já realizou mais de mil trabalhos audiovisuais e atingiu mais de 1 bilhão de visualizações em um único vídeo. Há 8 anos, o Profissão Repórter mostrou Kaique no início da carreira ao comandar a gravação de um videoclipe.

As mulheres também buscam a fama na música e as que atingem o sucesso se transformam em referência para meninas mais novas.

O repórter Pedro Borges acompanhou a MC Dricka, uma das principais representantes femininas do funk no país. Apesar dos 22 anos de idade, ela tem uma rotina intensa de gravações em estúdios e videoclipes.

Indicada ao Bet Awards como melhor artista internacional, exibe com orgulho tudo que a carreira artística já lhe proporcionou.

Já a dançarina e pesquisadora Renata Prado participa da gravação de videoclipes, organiza aulas online e mobiliza colegas do universo do funk para denunciar a criminalização do gênero musical.

Fonte: Profissão Repórter

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações