Home Editorial Penteado Black Power: cultura, identidade e raíz
Penteado Black Power: cultura, identidade e raíz

Penteado Black Power: cultura, identidade e raíz

por ZonaSuburbana

O cabelo é uma identidade, um marco, cultura e tendência de moda. Por muitos anos o cabelo crespo foi visto como “cabelo ruim”. A nova era é marcada pelos enfrentamentos étnico-raciais.

Mais do que modismo, o penteado Black Power fortalece na medida que a compreensão do movimento no Brasil ganha mais força por meio do Black Lives Matter (Vidas Negras Importam), dos EUA.

Para a escritora e doutora em educação Kiusam de Oliveira: “A importância de uma pessoa negra assumir as raízes africanas é uma maneira de salvar a identidade negra consciente, íntegra e saudável para combater o preconceito social da branquitude”.

A também autora dos livros “O mundo no Black Power de Tayó”, e do recém-lançado O Black Power De Akin, que conta a tristeza do coração de Akin, jovem negro de 12 anos, que cobre a cabeça com um boné ao ir para a escola. Ao seu avô, Dito Pereira, ele não conta que tem vergonha do seu cabelo, motivo de chacota dos colegas. Antes que Akin tome uma atitude brusca, o sábio avô, com a força das histórias da ancestralidade, leva o neto a recuperar a autoestima. Agora confiante, Akin ergue seu cabelo black power e se sente um príncipe, além do prefácio assinado pelo rapper Emicida.

Movimento Black Power 
O penteado Black Power, feito em cabelos crespos continua forte e entramos em uma nova fase que supera o modismo: os enfrentamentos étnico-raciais aumentaram em tempos de pandemia e quarentena e a compreensão de que corpo negro é corpo político”, destaca a escritora.

Em tempos de quarentena, mudanças de pensamentos, tendências de moda, novos hábitos e cuidado com os cabelos são assuntos retratados entre as mulheres com coragem pra mudar o visual, inclusive iniciando processos de transição capilar por conta própria. As pessoas estão deixando de alisar cabelo para assumir os cachos.

Até a década de 90 o preconceito era muito forte com quem deixava o cabelo natural. Kiusam conta que a professora de balé exigia que alisasse o cabelo para colocar redinha no coque e mais do que isso, se tornar a primeira bailarina. “Aos 12 anos comecei alisar o cabelo, com autorização da minha mãe, e na escola disseram que eu apenas havia gastado dinheiro e esforço, porque jamais deixaria de ser negra a fim de alcançar o destaque na companhia de dança”, conta a doutora em educação.

Apesar de sair de moda nos anos 80, o afro voltou com força total no começo do século 21. São quase 70 anos na luta da afirmação de estética como identidade, em que o cabelo e sua naturalidade sobressaem aos padrões de beleza ocidentais para se afirmar como instrumento de resistência e cultura. Nesse contexto, seja na política ou nas artes, o black power foi e é um símbolo que transcende as fronteiras da beleza e significa para o negro o resultado da luta de seus antepassados e também a determinação em manter viva a identidade de quem lutou pelos seus direitos. Na busca de direitos, cabelo é identidade e é também um símbolo de respeito. 

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações