Home Editorial Pandemia aumenta debate sobre royalties do streaming musical e artistas buscam alternativas mais rentáveis para seu trabalho
Pandemia aumenta debate sobre royalties do streaming musical e artistas buscam alternativas mais rentáveis para seu trabalho

Pandemia aumenta debate sobre royalties do streaming musical e artistas buscam alternativas mais rentáveis para seu trabalho

por @felizrappy

Com o surgimento e a expansão dos serviços de streaming de música, a indústria fonográfica e os profissionais do setor viveram uma grande transformação na forma como o seu trabalho é consumido e remunerado. O play no Spotify se tornou indicador, com métricas nem sempre justas, já que o streaming é sustentável para artistas pop cujas faixas são reproduzidas digitalmente milhões de vezes ao mês. Mas para músicos cuja carreira não é tão desenvolvida, o modelo pode ser desastroso.

E o debate sobre os royalties de streaming ganhou mais força com a pandemia, já que o isolamento social impulsionou o uso do serviço digital e muitos artistas cancelaram shows e turnês – perdendo assim a receita que vem com eles. 

A suspensão dos shows, que para muitos costumava ser a principal fonte de renda, tornou ainda maior a dependência dos artistas em relação à renda gerada pela música gravada. Sendo assim, a reivindicação por uma remuneração mais justa das plataformas, que já era uma realidade, se intensificou com a chegada da pandemia”, comenta João Luccas Caracas, CEO da gestora musical Adaggio.

Como são feitos os pagamentos via Streaming?

As empresas não costumam ser claras sobre a forma de pagamento dos artistas. Porém, no início do ano, uma das maiores plataformas do mercado de música digital lançou uma página para esclarecer como a receita gerada pela empresa é repassada aos cantores e compositores.

Um dos pontos mais relevantes é que o dinheiro não vai diretamente para os artistas. Ele chega nas mãos de quem possui os direitos sobre as músicas, isto é, gravadoras, distribuidoras e afins. A cada play, os detentores dos direitos recebem, portanto, uma fatia do valor arrecadado com a sua utilização (publicidade veiculada e assinaturas).

Os artistas e compositores escolhem os titulares dos seus direitos e os acordos sobre suas músicas, inclusive dando permissão para elas estarem nas plataformas de streamings. As plataformas fazem o pagamento a esses titulares e são eles que repassam ganhos aos artistas e compositores”, esclarece João.

Rendimentos antecipados

Hoje, entretanto, os artistas e compositores têm alternativas para aumentarem os ganhos com suas obras. Uma delas é a comercialização do catálogo musical, por meio de uma gestora musical, modelo já bastante difundido mundo afora, mas ainda recente no Brasil.

Basicamente, o artista cede o direito de receber royalties futuros em troca de uma liquidez imediata, ou seja, uma antecipação de recebimentos, para investir como bem entender. A gestora musical trabalha esse catálogo para potencializar seus rendimentos e identificar novas oportunidades comerciais, diminuindo assim a dependência da monetização via plataformas de streaming”, explica o CEO.

No Brasil, a Adaggio é o primeiro fundo de investimento especializado na aquisição de catálogos musicais. Em 2021, a empresa já alocou 40% do capital levantado e está fazendo diligência em 60 catálogos que, juntos, valem cerca de R$ 250 milhões. Fazem parte do portfólio da empresa nomes como Jorge Aragão, Délcio Luiz, Dado Villa-Lobos, Toni Garrido, Danilo Caymmi, Dinho, do Mamonas Assassinas, entre outros grandes artistas.

João reforça que, para além do aspecto financeiro da parceria com os cantores e compositores, a aquisição de catálogos musicais valoriza o trabalho dos artistas e fortalece a cultura do país – todo o portfólio da Adaggio é formado por composições nacionais. “A cada parceria fechada, além do imenso orgulho que sentimos em trabalhar os direitos autorais de artistas tão respeitados e consagrados, somos motivados a buscar também a valorização dessas obras e da cultura do país, pois conseguimos manter vivos grandes sucessos e aumentar o alcance dessas canções”.

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações