Home Rap Nacional Neto Kbção retrata a dualidade de uma favela que protesta e que dança, “Fiz Ezze Rep”
KBÇÃO - Fiz Ezze Rep ft. Drão

Neto Kbção retrata a dualidade de uma favela que protesta e que dança, “Fiz Ezze Rep”

por ZonaSuburbana

Em uma nova fase da carreira, Neto Kbção traz para sua discografia a mistura entre o trap e o funk, em “Fiz Ezze Rep”, mas avisa: “Eu tenho 77 mil flows, sou o coroa que está sempre se renovando e Nunka Kai, então não esperem mais do mesmo”. O single lançado na última sexta-feira, 07 de agosto, em todas as plataformas de streaming, traz o refrão que fala de uma identidade negra periférica que não pode se perder no meio do game. O clipe caminha na mesma dialética. 

Fiz esse rap pra você chamar de seu, antes de tudo não esqueça quem cê é”. Assim começa a música responsável por reapresentar o artista baiano marcado pelo álbum “Várias Queixas”. Neto cantou as dores do homem negro que vive a trincheira da guerra às drogas desde que iniciou no movimento Hip-Hop, em 2004. Ainda como o cara que faz parte da velha escola do Rap baiano, agora Kbção pretende trazer outras referências para sua música.

Esse som traz o que há de contemporâneo para mim, considerado um cara antigo por muitos. Vem com o significado de me renovar para essa nova era do Hip-Hop e me reinventar para o Rap.  É além de uma auto afirmação, uma grande contestação ao mercado de rappers que mente, finge e vende. Acredito que consegui trazer minha verdade em uma mensagem ácida com flow e uma levada mais dançante”, expressa Kbção.

O clipe de “Fiz Ezze Rep” foi dirigido por MaicoMax, capturado pela equipe audiovisual A Rua Cria, editado e finalizado pelo selo FS Filmes, também contou com a participação dos dançarinos Gleyce Manu e Daniel.

O beat de trap/funk é do produtor e beatmaker DIH Beats. O funk sempre teve influência na vida de Neto, que inclusive por pouco não virou MC de funk, essa música é o momento que ele consegue unir essa influência à sua escrita de protesto e afirma que todos os artistas que fazem parte da sua referência musical, influenciaram essa produção.

Minha decisão foi por essa nova fase de Neto Kbção, mais solto, mais leve, sem a cara fechada. Mostrando uma favela que protesta, mas que também dança, a gente chora e é feliz, a gente briga e a gente ama”, completa o MC.

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações