Home Zona Funk MC Lynne e Carol Pécora lançam “Assédio no Vagão”, videoclipe do projeto inédito da KondZilla
MC Lynne e Carol Pécora - Assédio no Vagão

MC Lynne e Carol Pécora lançam “Assédio no Vagão”, videoclipe do projeto inédito da KondZilla

por ZonaSuburbana

A funkeira MC Lynne e a trapper Carol Pécora lançam o clipe da música “Assédio no Vagão”. É o segundo videoclipe do projeto inédito HERvolution, idealizado por Alana Leguth, sócia-diretora da KondZilla Filmes, com o objetivo de trazer o protagonismo feminino para todas as etapas de uma produção musical.

O videoclipe foi gravado dentro de um vagão de trem e a música inicia com um áudio real da MC Lynne para a Pécora relatando um assédio sofrido no caminho para o estúdio. De acordo com a MC Lynnenaquele dia fiz a denúncia do assédio, depois me encaminhei para o estúdio e despejei nessa música tudo o que passei”, relata a cantora.

A música e o videoclipe viraram um grito de protesto contra o assédio nas vozes de MC Lynne e Carol Pécora, direção de Vanessa Coscia e edição de Camila Amaral. HERvolution, como o próprio nome do projeto já demonstra, é a junção das palavras em inglês de her (ela) + revolution (revolução), propondo empoderar e exaltar as mulheres.

Alana explica “o meu desejo com HERvolution é abrir portas e mentes. Para que jovens saibam que podem querer ser DJ, produtora, diretora, cantora ou compositora e haverá um espaço para ela, esse lugar é o projeto.  Independente da área de atuação que escolherem a KondZilla apoia as escolhas delas e está abrindo as portas desse mercado pra elas”.

Para isso a segunda etapa do projeto é um concurso aberto para descobrir novos talentos femininos, serão 6 selecionadas que receberão uma produção musical e um videoclipe cada, com produção da KondZilla Filmes e lançados no canal KondZilla.

Nosso objetivo é que o HERvolution seja inteiro protagonizado por mulheres em todas as esferas, desde a criação, passando pela produção e execução do projeto, dando oportunidades para que as mulheres exerçam não só suas funções (não só trabalhem para “pagar as contas”) mas que elas possam se sustentar através de seus talentos, suas paixões”, finaliza Alana Leguth.

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações