Home Discos Lukas Kintê lança mixtape “Esse Ano Eu Não Morro”

Lukas Kintê lança mixtape “Esse Ano Eu Não Morro”

por ZonaSuburbana

O trabalho do rapper Lukas Kintê já causa impacto na capa. Com projeto gráfico feito pelo artista plástico Emerson Dias, o design da mixtape é carregado de autenticidade e traz elementos da sua trajetória, ancestralidade e espiritualidade. A primeira sensação que se tem quando vemos a capa é: “Nossa! Que imagem forte é essa!”. E esta sensação se prolonga pelas primeiras três faixas do disco até se diluir nas outras faixas que falam de amor, amizade e vitória.

A mix contém 9 faixas com beats variados. Kintê trouxe diferentes produtores que, em cada faixa, deram a sua cara para as rimas. Victor Haggar fechou a maiorias dos beats, Herick Soul que, segundo o rapper, “trouxe mais alma pro trabalho“. Kalibre que deixou a sua marca com o “trapagodão”. Duq Ra que chegou com o beat chamado de “Drift“, este mais balanceado e com o ritmo acelerado. E por fim, mas não menos importante, Formiga que levou o bom beat pesado noventista, que joga as músicas para cima.

Já as rimas vêm ácidas, com construções bem envolventes e potentes. Rimas que, por vezes, nos deixam extremamente alegres e outras, um tanto quanto, reflexivo, triste, entusiasmado ou destemido. Todos esses sentimentos, e outros, são encontrados nas 9 faixas que compõem o álbum. Kintê traz versos positivos, sentimento libertário em suas letras. Sendo denso e impactante, nunca esquecendo de transmitir a sensação de vitória para quem ouve. Nas músicas, ele cita casos reais, lugares reais. A mix é como um diário caótico de um homem negro periférico, tentando entrar no eixo certo de sua vida ameaçada por padrões destrutivos.

Lukas Kintê inova com rimas lúdicas e com flow forte e melodias memoráveis. A cadência das faixas causa aquele efeito de música que não sai da cabeça. Essa mixtape é recheada de hits que você facilmente ouviria ou dançaria em algum rolê, destacando-se as faixas “Decanato de Leão”, “Eu te avisei” e Barras”, que foram grandes sacadas em que o rapper misturou o Trap com o pagode baiano.

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações