Home DiscosAlbum “Isso Não é Um Disco de Rap” é o coração de Fabio Brazza conduzindo cada beat
Fabio Brazza - Isso Não é Um Disco de Rap

“Isso Não é Um Disco de Rap” é o coração de Fabio Brazza conduzindo cada beat

por ZonaSuburbana

Seis anos após seu primeiro álbum, um Fabio Brazza mais maduro e consciente lança “Isso Não é Um Disco de Rap”. O trabalho traz batidas modernas e um artista saindo de sua zona de conforto, sem deixar de traduzir poesia e carregar mensagens importantes em seus versos de protesto. Após oito meses com o projeto de soltar um single de cada vez, o quinto álbum do rapper toma forma e chega aos principais serviços de streaming no começo do próximo mês, marcado por feats incríveis com Péricles, Luccas Carlos, Hélio Bentes, Vulto, Srta. Paola, entre outros.

O nome e a capa do álbum fazem referência a René Magritte, pintor belga surrealista conhecido por suas pinturas extraordinárias. Mas se não é um disco de rap, é o que? Ao longo desses meses de pré-lançamento, Fabio Brazza sempre disse que, na verdade, o trabalho é seu coração derramado em cada track. Assim como na pintura “Isto não é um cachimbo”, quadro do Magritte que se destaca pelo enigma e reflexão, o que o Brazza propõe é a representação de um disco tradicional, algo além do rap. Carregado de sentimentos e histórias, o imaginário do artista traduzido em poesias é o primeiro trabalho que não vai chegar aos fãs fisicamente, somente através do streaming.

Composto por 12 faixas, “Isso Não é Um Disco de Rap” conta a história de Fabio Brazza nos últimos dois anos. Fã assumido de discos de vinil, o rapper fala sobre o costume de ouvir álbuns inteiros em ordem, desde a primeira batida até o último ruído, para encontrar a narrativa que o cantor ou banda quis contar. É possível fazer o mesmo com esse álbum: “Começando por ‘Centauros’ e acabando em ‘Inquilino da dor’ e ‘Toda gratidão’, eu falo de um Fabio que passou por muitas crises, questões existenciais, que se desconstruiu, aprendeu muita coisa, sofreu por amor”.

Dentre as canções com as quais o rapper mais se identifica estão: ‘Centauros‘, que inicia a experiência, e fala sobre um artista que não vê mais sentido na arte por conta da depressão, doença com a qual o Brazza foi diagnosticado em 2019; ‘Só Uma Noite‘, que conta sobre o fim de um relacionamento longo, e é bastante pessoal; ‘Inquilino da Dor‘ e ‘Boto Fé‘, duas faixas sobre a esperança que o rapper desenvolveu para encarar suas crises; e por fim ‘Toda Gratidão‘, que fecha o álbum trazendo as memórias boas que usou como um remédio para sua cura.

Sobre a carga artística diferencial dentre os outros álbuns lançados por Brazza, ele responde falando desse universo que o influencia e molda: “A arte existe porque a vida não basta. Não adianta só comer, só dormir… existe um pedaço da nossa vida que precisa ser sonhada. A arte me desnuda, me desvenda e me ajuda a explicar a parte mais complicada, mais real e brutal – foi assim que eu me permiti a criar esse álbum”.

Porém a maior transformação entre os primeiros trabalhos e os mais atuais, é o próprio artista. Mais experiente e maduro, começou a criar de maneira diferente ao longo do tempo: antes com músicas carregadas em palavras e rimas, agora com melodias que conduzem as canções. Na época de moleque, ele afirma que era muito idealista e não tinha nada a perder. “Que bom que eu tive essa sede de mudar grandes coisas, mas esse novo álbum é mais pessoal, e menos para o mundo… Muitas pessoas podem se identificar, mas no fim é um recado pra mim mesmo, para despertar mudanças individuais. E se eu inspirar alguém através do meu trabalho já é o bastante”, comenta.

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações