Home Discos Felipe Rima une música, cinema e literatura para exaltar as periferias do Brasil em “Zareia”
Felipe Rima - Zareia

Felipe Rima une música, cinema e literatura para exaltar as periferias do Brasil em “Zareia”

por ZonaSuburbana

 Dedicado em honrar as periferias brasileiras, incluindo a sua própria comunidade em Fortaleza, Felipe Rima – com quase duas décadas de legado no hip-hop – divulga o EP visual “Zareia” em todas as plataformas digitais. Neste projeto, composto por 4 canções autobiográficas, o rapper, escritor, palestrante e empresário cearense percorre seu itinerário de superação e convida o público a sonhar com outras realidades possíveis.

Abrindo os caminhos, a faixa-título “Zareia” mostra onde tudo começou. A favela da Zareia, localizada no bairro Papicu, em Fortaleza (CE), foi onde o artista – que precisou trabalhar ainda criança para auxiliar a mãe – cresceu. Muito cedo, viu irmão e tios presos. Seu pai, Ribamar, era viciado em crack e um dos maiores traficantes da capital cearense. Em dado momento, Felipe teve que segurar uma arma dada pelo genitor “para ter que virar homem”. E desistiu, inclusive, da ideia de ser jogador de futebol, mas ali, como um dos milhares de espaços de vulnerabilidade do Brasil, também é lugar de potência.

Quando tinha 14 anos, por meio do projeto social Enxame, Rima sentiu o poder da palavra. Com a poesia de Carlos Drummond de Andrade, mais precisamente com os versos “No meio do caminho tinha uma pedra”, teve a primeira reflexão sobre os rumos que sua vida estava tomando. “A pedra” seria, portanto, o crack e tudo o que advinha com a droga ilícita. Começou, então, a escrever e, logo mais, descobriu o hip-hop. Não parou mais. A arte tinha, para o então jovem, a capacidade de desvelar o olhar para o azul do céu, o movimento das árvores e dos pássaros — em meio a tantas intempéries. Ao fim desse som, Bráulio Bessa anuncia: “Seja rapper ou cordelista, o poeta é rimador/ Rima a sua própria história/ Seu sorriso, sua dor”.

Logo em seguida, “Quanto vale um sonho?” reafirma as lutas e instiga: “Levanta, vai lá/ O sorriso é seu/ Faz o corre, vai lá/ Porque o corre é seu”. 

É Açúcar – Matuêrrou” é uma espécie de “pausa técnica”. Nesta, uma indagação sobre as letras de Matuê, rapper cearense que obteve a melhor estreia no Spotify Brasil em 2020. Segundo Felipe, a exaltação do crime nas composições do novato o inquietou. No álbum  “Máquina do Tempo”, Matuê diz em um dos versos de “É Sal”: “Olha o caminhar do elemento/ É o passo bem lento, vai fechando o tempo/ Canhão, faca na cintura/ Disposição pra tombar duas viatura”. Em contraponto, Rima responde: “Mentindo nessa rima, tu tomba a cultura/ Quer um conselho, irmão?/ Não é sublime/ Fazer pose de artista e imitar o crime/ Esse jogo custa a vida/ E lágrimas de mãe/ Não é status pra artista/ Estourar champanhe”. Na mesma canção, o músico volta à Zareia com seu pai para distribuir livros à comunidade. Armas muito mais potentes, capazes de gerar uma revolução — explica a cantora e produtora Gabriela Savi, presente na faixa.

Fechando o trabalho, a história de realização daquele menino que tornou-se referência em múltiplas vertentes artísticas. Com a carreira já consolidada, o protagonista canta com sua comunidade na música “Na Minha Zaria”. Com participação de Salmos Rafael e DJ William (Baile de Favela), apresenta a “sua quebrada”, o lugar que sempre retorna: a Zareia.

Gravado no Red Bull Station, em São Paulo, EP conta com Rafael Tudesco assinando a direção e produção em parceria com Mr. Break e Salmos Rafael. Na arte, Zé Vitor. Já na produção executiva, Kelly Malheiros. Milena Gomes, Lucca Lyne, Ytalo Pereira e Brisa são os bailarines envolvolvides nas versões audiovisuais do registro.

Indo além da música e cinema, a ação contempla também literatura: “Quanto vale um Sonho” (2021), lançado pela editora Agir, desvenda como o ato de sonhar pode ser válvula de transformações de realidades. Com prefácio do cantor e compositor cearense Fagner, a obra está disponível nas versões impressa e digital.

A realização de todo esse movimento é da Sonhares Company – Espaço de Inspiração e Transformação.

Precisamos criar cenários que possibilitem a visita da felicidade aos olhos da juventude. Esse é mais um passo nessa minha jornada. É meu novo trabalho de arte para inspirar o mundo e propor debates para a evolução e a revolução”, ressalta Felipe Rima.

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações