Home EditorialDinossaurosRAP Disco Rap: “Eu Tiro é Onda” de Marcelo D2

Disco Rap: “Eu Tiro é Onda” de Marcelo D2

por Jefferson Ferreira

Em 1997, após um show em Brasilia, a banda Planet Hemp teve voz de prisão e o grupo ficou encarcerado na 3ª Delegacia de Polícia na cidade satelite de Cruzeiro. A alegação foi de que a banda estava fazendo apologia ao consumo de drogas.

Após o episódio os shows do Planet ficaram mais raros, os que já tinham agenda foram cancelados e a procura pela banda diminuiu. Marcelo D2 então lança-se em carreira solo, como um rapper e propondo uma mistura do hip hop com o samba.

Nasce aí o aclamado álbum “Eu Tiro é Onda”, lançado em 1998, que foi sucesso de critica da ápoca, principalmente em São Paulo, onde o rap carioca não tinha uma acitação fácil. O projeto, gravado pela Sony, teve produção de Rodrigo Nut’s, Zé Gonzales e do próprio D2.

O álbum contou com diversas participações especiais, como a do rapper estadunidense Shabazz, the Disciple, na faixa título, e de uma banca com BNegão, Black Alien, Speed Freaks e Jackson, todos músicos com passagem pelo Planet Hemp, que somaram na faixa “O Império Contra Ataca”.

O disco ainda teve a música “1967”, com sample de “Banden Powell – Canto de Ossanha”, onde D2 narra sua trajetória até a vida adulta, a regravação da música “Eu Tive um Sonho”, original de Thaide & DJ Hum, e uma versão rap, sem banda, de “Mantenha o Respeito”, do Planet Hemp.

A proposta de mesclar rap com samba, apesar de não ser inédita, agradou geral, tanto a ala comercial, pela sonoridade radiofônica, como a ala sambista, que se sentiu representada, até mesmo os mais gangstas se sentiram atraídos pela beleza do boom bap de “Eu Tiro é Onda”, além do disco ter a essência do rap underground em sua lirica.

O álbum termina com a faixa “Baseado em Fatos Reais”, onde D2 narra o episódio de 1997, que cuminol em sua prisão, Black Alien divide os vocais nessa track, o Mr Niterói foi companheiro de cela do MC nessa ocasião.

O álbum de Marcelo D2 se tornou um manifesto politico sobre a descriminalização da maconha, e reforçou a luta do rapper (e do Planet Hemp) sobre o assunto. Abaixo você confere na integra esse clássico do hip hop nacional:

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações