Home Rap Nacional Brisa Flow reivindica o protagonismo de mulheres racializadas na arte em “Jogadora Rara”
Brisa Flow - Jogadora Rara

Brisa Flow reivindica o protagonismo de mulheres racializadas na arte em “Jogadora Rara”

por ZonaSuburbana

Brisa Flow lança o single “Jogadora Rara”. A canção faz uma contundente crítica ao sistema que coloca corpos racializados em museus, mas que os marginaliza nas periferias.

“‘Jogadora Rara’ faz um paralelo do mercado da arte com o mercado da música, que desde os tempos da colonização vê os corpos e a arte de povos racializados como algo para ser comercializado mas não em um local de protagonismo”, explica Brisa Flow. “É sobre a potência das mulheres racializadas de quebrada em fazer arte, mesmo diante de vários impedimentos da estrutura patriarcal eurocêntrica, e serem protagonistas de suas histórias que podem ser de vitória também”.

O clipe foi gravado na Comunidade da Coroa, no Rio de Janeiro, onde o diretor Abimael Salinas vive e conheceu o trabalho de Brisa. Ao mesmo tempo, apresenta imagens em áreas nobres do Rio, a poucos metros da comunidade em Santa Tereza, e museus de arte onde muitas vezes os corpos racializados são expostos, sendo vistos como exóticos, assim como sua arte. As mulheres que participam são artistas e ativistas de descendência preta e indígena do Rio de Janeiro que, com seu trabalho, combatem o etnocídio diariamente presente em diversas áreas. Toda a equipe é formada por indígenas e mulheres racializadas.

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações