Home Editorial Afrobeat e resiliência negra no single e clipe de estreia de Ravih, “Lanterna”
Ravih - Lanterna

Afrobeat e resiliência negra no single e clipe de estreia de Ravih, “Lanterna”

por ZonaSuburbana

Ravih é nascido e criado em Parelheiros, bairro do sul de São Paulo, e não é de hoje que a música é sua ferramenta de trabalho. Incentivado pelos pais, começou a dedilhar instrumentos aos 11 anos, o que lhe rende uma boa base como compositor e cantor agora que faz sua estreia solo. 

Para ele, que também é multi-instrumentista, a música é móvel e está aí para ser experimentada. Sem se inibir a estilos que possam colocá-lo numa bolha, Ravih busca trazer o que a música pede naturalmente, ora romantismo, ora consciência social, bases mais cheias ou mais minimalistas, às vezes house, R&B e até folk alternativo.

Neste primeiro single, “Lanterna”, ele se empodera com a batida do afrobeat, pano de fundo para a mensagem que quer passar sobre a força negra, a resiliência. O lançamento vem proposital neste 20 de novembro, celebrado Dia da Consciência Negra, força e história de Zumbi dos Palmares, revolucionário negro de influência direta no pensamento do músico e em sua autoeducação sobre raça, classe e negritude.

Não poderão dispersar quem nada tem a temer
Quanto mais vento soprar
Mais nós vamos ascender
Até o topo e vencer

Em “Lanterna”, transformou sua revolta quanto ao assassinato de crianças negras em uma canção que desdobra a tristeza dos fatos em superação, garra, arte. Sua voz macia não deixa de trazer o peso da realidade, exposto através da poética da letra, como neste verso em que faz uma metáfora para lá de cabível:

Eu vou dançar no caos do mundo em trevas
Jamais deixar o mal assumir as rédeas
A vida é uma vela
Mas eu sou lanterna

O clipe foi gravado nas proximidades de Parelheiros e tem como tema um paraíso para onde vão as crianças e jovens pretos que tiveram suas vidas interrompidas.

O assunto é forte mas consegue ser abordado com a aura leve, talvez trazida pelas cores predominantemente primárias do vídeo ou pela natureza usada como cenário. Ravih complementa a ideia do clipe dizendo:

Meu personagem chega ao paraíso dos jovens negros sem entender bem onde ele está até que encontra com sua versão mais nova, que o “ilumina” e o faz lembrar como ele morreu: atingido por uma bala “perdida” enquanto voltava do trabalho numa obra, referência ao caso de Joilson Pereira e tantos outros pretos que foram “confundidos”. No final do clipe, meu personagem não morre, ele já está morto e apenas revive a cena em sua memória. No paraíso tem um total de nove pessoas, contando eu, as crianças e a dançarina, simbolizando os mortos do massacre de Paraisópolis. É por isso que as crianças e a menina dançam. O capacete com a lanterna é um símbolo de resiliência, complementar à letra, no sentido de algo que pode se apagar mas ser recarregado.”

Com o lançamento de “Lanterna”, Ravih começa a se inserir no crescente movimento de artistas autorais e independentes que despontam das periferias com muito a dizer e cantar.

Na sequência deste single, o músico lança o primeiro EP, “Distância”, com quatro faixas, em 4 de dezembro.

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações