Home DiscosAlbum Acompanhado de videoclipe com Marcelo D2, grupo africano Jupiter & Okwess lança disco “Na Kozonga”
Jupiter & Okwess - Na Kozonga

Acompanhado de videoclipe com Marcelo D2, grupo africano Jupiter & Okwess lança disco “Na Kozonga”

por ZonaSuburbana

Voltar para casa” é o significado de “Na Kozonga”, expressão africana que dá nome ao terceiro disco de estúdio da banda congolesa Jupiter & Okwess. Nas palavras de Jupiter Bokondji, vocalista do grupo, o trabalho traz o “retomar da profundidade infinita da alma” à medida que apresenta uma sonoridade enérgica por meio de participações dos cariocas Marcelo D2 e Rogê, da cantora chilena Ana Tijoux, do ator e músico francês Yarol Poupaud, da cantora e compositora americana Maiya Sykes, e da Preservation Hall Jazz Band, para costurar com arte as relações entre continentes historicamente marcados por rotas da colonização.

O álbum produzido por Mario Caldato Jr, que assina trabalhos com Björk, Beastie Boys, Seu Jorge e Manu Chao, chega às plataformas de streaming e vem acompanhado do videoclipe da faixa “Telejayi”, com Marcelo D2.

Unidos pela visão artística antropofágica, o grupo Jupiter & Okwess se encontrou com D2 em Paris, durante um dia livre do rapper em meio à uma turnê na Europa. Ali, fizeram a gravação  da faixa e do videoclipe. “Quanto mais a gente consegue unir as nossas  culturas, mais elas se tornarão universais”, avalia o carioca. “Esse encontro vai influenciar tudo o que vem daqui pra frente na minha música”, ele comenta. 

Cruzar essa rota criativa com o Brasil era algo inevitável para a banda congolesa, já que parte do entendimento de que viemos de uma mesma origem. “Não há como esquecer o passado tão facilmente. As pessoas do outro lado são nossos descendentes distantes”, explica o vocalista do conjunto formado por ele ao lado de Montana Kinunu (vocal e bateria), Yende Balamba (vocal e graves), Eric Malu-Malu-Muginda (vocal e guitarra), Richard Kabanga Kasonga (vocal e guitarra) e Blaise Sewika Boyite (vocal, guitarra e percussão). 

Outra presença nacional em “Na Kozonga” é a do sambista carioca Rogê, na música “Bolingo”. A faixa foi revelada no ano passado, por meio de um EP homônimo que também trouxe mais duas participações que entraram no disco: a de Maiya Sykes (cantora americana que já trabalhou com Macy Gray, The Black Eyed Peas, Michael Bublé e na trilha do filme “La La Land”), em “Bakunda Ulu”; e do Preservation Hall Jazz Band – grupo que mantém vivo o tradicional jazz de New Orleans, nos Estados Unidos – em “Abalegele Gale”. Além das participações, o material também apresentou ao público “Izabela” e a faixa-título do disco, a última acompanhada por videoclipe (assista aqui).

Jazz, funk, rock e salsa são alguns dos gêneros que atravessam a tracklist do álbum composto por doze faixas. Misturados à pluralidade musical congolesa – reflexo das mais de 400 etnias listadas pelo país – Jupiter e seus companheiros dão continuidade a seu “bofenia rock”, termo com o qual definem a própria sonoridade. “Tentamos explorar esses gêneros à nossa maneira”, contam sobre as distintas influências que formam “Na Kozonga”. 

Nem mesmo a escolha do local para registrar o terceiro disco do grupo foi aleatória à intenção dos artistas de ressignificar trocas culturais entre diferentes etnias. A cidade de Los Angeles foi o palco para a gravação de “Na Kozonga” por ser vista como a mais latina no território estadunidense. A latinidade que o trabalho carrega também ganha vida em “You Sold Me A DreamNa Kozong”, parceria com a artista chilena Ana Tijoux que trata diretamente da sobrevivência aos impactos dos processos de colonização (assista aqui). A seleção de parcerias é complementada pelos riffs de guitarra do francês Yarol Poupaud, em “Jim Kata”, fechando a rota traçada entre África, América do Sul, América do Norte e Europa. 

Apesar da densidade dos temas abordados, a enérgica construção sonora confere leveza e animação ao sucessor de “Kin Sonic” (2017) – segundo disco do conjunto que chegou a integrar a playlist do ex-presidente americano Barack Obama e o top 10 de discos daquele ano pelo The New York Times. O equilíbrio entre acontecimentos sombrios da humanidade e a vivacidade dos encontros musicais resumem a essência de “Na Kozonga” e mostram que a união intercontinental é o caminho para construir outra perspectiva de futuro. “Abordar temas relacionados aos problemas da sociedade, como a colonização, os problemas climáticos e ambientais, as injustiças sociais com ritmos emocionantes, nos permite curar as nossas almas nos libertando de todos estes males”, conclui Jupiter.

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações