Home Editorial A morte de Pablo Escobar: A caça pelo maior traficante de drogas do mundo

A morte de Pablo Escobar: A caça pelo maior traficante de drogas do mundo

por RiDuLe Killah

Pablo Emilio Escobar Gaviria, morto em 2 de Dezembro de 1993, foi um dos homens mais famosos e ricos do mundo. Conhecido pela imprensa como o “El Patron” ou o “Zar de la droga”, graças ao comércio de cocaína, que foi contrabandeado pela organização que criou: o Cartel de Medellín. Ele acumulou a maior fortuna de seu país e uma das maiores do mundo. Pablo, chegou a acumular uma fortuna de R$ 100 bilhões no auge de sua carreira, de modo que ele não estava brincando quando ofereceu ao governo colombiano pagar a dívida externa do país, para assim poder traficar drogas em paz.

Escobar não só estava forrado por dinheiro, mas também deixou um rastro de sangue em seu caminho. Ele foi acusado de ser o mandante do assassinato de milhares de pessoas, porque no meio de uma guerra sem quartel, o Cartel de Medellín desencadeou contra o Estado colombiano e contra outros cartéis rivais, planejando e financiando uma extensa rede de assassinos impiedosos que assassinaram milhares de pessoas e centenas de atos terroristas perpetrados com a utilização de carros bombas nas principais cidades do território do café. Logo, no início dos anos 90, Pablo Escobar era o criminoso mais procurado na Colômbia.

Depois Escobar foi preso e fugiu da prisão “La Catedral” de Envigado em 22 de Julho de 1992, o governo da Colômbia organizou o Bloque de Búsqueda, um grupo de 1.500 homens que consistiam em soldados do Exército e da elite da Polícia, a fim de capturar o chefe do Cartel de Medellín. Após 17 meses de busca incessante, o governo colombiano, que foi apoiado por grupos de inteligência dos EUA e um suposto grupo narcotraficante chamado Los Pepes, o Bloque de Búsqueda por Pablo Escobar, finalmente o localizou em um bairro de Medellín.

Enquanto Pablo Escobar conseguia escapar do Bloque de Búsqueda por seis meses, a morte de seu chefe de segurança, “El Angelito” (Puerta Muñoz León), em Outubro de 1993, o deixou desprotegido, e foi comandando soldados rasos e assassinos. Em 2 de Dezembro de 1993, Escobar acabou sendo encurralado por seus perseguidores implacáveis. Ele cometeu o erro de fazer em seus últimos dias de vida vários telefonemas para sua família, que foram rastreados pela Polícia.

O jornalista e escritor americano Mark Bowden, em seu livro “Killing Pablo” (“Matando Pablo”), informou que na terceira semana de Novembro de 1993, o traficante se fixou em uma residência em uma casa em Medellin, “uma casa de tijolo, de dois andares, simples e robusto com uma palmeira em frente”. “O táxi usado como uma cabine telefônica portátil era dirigido pelo seu único guarda-costas e companheiro, Alvaro de Jesús, conhecido como “Limón”.

Depois de um ano e quatro meses de trabalho de inteligência intensiva, o Bloque de Búsqueda — que tinha colocado antenas de vigilância nas colinas que cercam Medellín — na terça-feira 30 de Novembro deu origem a uma das chamadas de Escobar na vizinhança de Los Olivos. Em 1 de Dezembro o Coronel Hugo Martínez Poveda pediu permissão para isolar a área e, em seguida, registrar as casas de porta em porta. Mas foi negada a permissão para que militares e outros 35 policiais estavam escondidos em seus veículos em um estacionamento, esperando toda a noite de terça para quarta-feira (1 de Dezembro).

Naquele dia, Escobar ligou de volta e falou durante algum tempo com seu filho, sua esposa e filha, que lhe desejou um feliz aniversário. “Ele tinha acabado de fazer 44 e comemorou com maconha, um bolo e um pouco de vinho”, explica Bowden em seu livro, acrescentando que a maior Hugo Aguilar saiu correndo do estacionamento procurando por um sinal, mas ninguém estava lá. Lá, ele percebeu que “certamente Pablo tinha falado de um carro em movimento.”

“Naquela quinta-feira 2 Dezembro de 1993, Pablo Escobar acordou, como de costume, um pouco antes do meio-dia. Comeu um prato de espaguete e jogou seu corpo grosso de volta na cama, mas desta vez com o aparelho”, disse Bowden em seu livro. Às 13h, Escobar tentou ligar várias vezes para sua família, colocando como um jornalista de rádio. Bloque de Búsqueda calculou que a chamada veio novamente de Los Olivos. Em seguida, o maior Hugo Aguilar “parou para olhar para a tela e começou a observar cuidadosamente as casas uma a uma, até que reconheceu um homem gordo na janela do segundo andar. Ele usava um cabelo preto, encaracolado e comprido e barba”. Foi, sem dúvida, Pablo Escobar. Poucos minutos depois, a polícia começou a caçar.

Bowden revelou que “Limón” pulou da janela da varanda para o telhado assim que a equipe de assalto invadiu pela frente… Ele foi atingido por vários tiros enquanto corria. O segundo a sair foi Pablo… De acordo com os policiais presentes, enquanto atravessava o telhado recebeu os tiros disparados a partir do beco e major Hugo Aguilar, que subiu para o telhado da casa ao lado. Pablo Escobar, o homem que tinha semeado o terror na Colômbia, foi oficialmente morto. Uma autópsia revelou que ele tinha recebido três tiros: na perna direita, nas costas e no centro de sua orelha direita.

A morte de Pablo Escobar gerou reações mistas. Sua família e chegados lamentaram sua morte, e seu funeral foi assistido por milhares de pessoas, a maioria delas moradoras de bairros pobres de Medellín, que Pablo ajudava. Mas a imprensa e o governo consideraram um triunfo na luta contra as drogas e o começo do fim do tráfico de drogas, algo que o tempo iria revelar como uma falácia real.

Manancial: Guioteca

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações