Home Editorial A história do álbum de J Dilla, “Welcome 2 Detroit”
A história do álbum de J Dilla, “Welcome 2 Detroit”

A história do álbum de J Dilla, “Welcome 2 Detroit”

por RAPLongaVida

A história de como o renomado produtor J Dilla (nascido James Dewitt Yancey) entrou no mundo da música começa em sua cidade natal, Detroit.

Em 29 de julho de 1994, o primeiro “professor” de Dilla, Amp Fiddler, estava na cidade tocando teclado com George Clinton e The P-Funk Allstars na turnê Lollapalooza, a programação heterogênea do festival incluía todos, desde os Beastie Boys até o vanguardista japonês, The Boredoms. Também na cidade para a turnê estavam os heróis musicais de Dilla: A Tribe Called Quest. Fiddler havia passado semanas cantando os elogios de Dilla ao líder do Quest, Q-Tip. O encontro resultaria em um rico relacionamento musical que resultaria em dois álbuns de A Tribe Called Quest (Beats Rhymes & Lifee The Love Movement), bem como a estreia solo de Q-Tip em 1999, Amplified. O relacionamento de Dilla com a Q-Tip também lhe permitiu trabalhar na produção de grandes bandas como De la Soul, Janet Jackson e The Pharcyde.

Enquanto construía seu próprio nome como produtor contratado, Dilla também cultivava seu próprio mundo musical distinto, colaborando com amigos de Detroit. 

Em 2000, a pedido do lendário produtor do Brooklyn Kenny “Dope” Gonzalez, Peter Adarkwah da BBE abordou Dilla em um show em Londres para ver se ele estaria interessado em gravar para a gravadora. “Dilla estava vindo para fazer um show com o Slum Village, então peguei algumas cópias de algumas das coisas que lancei e levei para conhecê-lo no show”, disse Adarkwah. “Depois do show, entreguei a ele os discos e pensei ‘Eu realmente amo suas coisas e adoraria que você fizesse algo para a BBE‘, e ele disse ‘Claro, vamos fazer acontecer.’”

O resultado foi “Welcome 2 Detroit”, um álbum icônico na discografia de Dilla, e a primeira parcela do que ficou conhecido como a série “Beat Generation” do BBE. Para o projeto, Dilla chamou o quadro de músicos com quem ele fez amizade ao longo dos anos, um dos quais foi o baterista Karriem Riggins. “Naquela época, ele adorava o que eu fazia na bateria”, lembra Riggings.

Ao mesmo tempo, ele queria fazer um projeto apenas comigo, [o cantor / rapper de Michigan] Dwele, e ele – tipo, um trio. Havíamos conversado sobre fazer algumas coisas que nunca deram certo, e então ele fechou o contrato com a BBE. Ele simplesmente me ligava e dizia: ‘Bem, vamos apenas entrar no estúdio e criar algumas coisas ao vivo.’ Eu fiz o ‘Rico Suave Bossa Nova’, apenas freestyling, tocando, e ele simplesmente pegou as teclas. É tudo ao vivo – tipo, uma tomada.

Riggins não apenas tocou bateria no álbum, ele foi o único produtor a contribuir com sua própria batida (“The Clapper”) para o álbum. “Foi nessa época que fiz algumas das minhas primeiras fitas de batida”, lembra ele. “Estávamos saindo à noite, ele vinha me buscar e nós apenas cavalgávamos ao ritmo. Então, eu colocava minha fita, e foi quando ele ouviu minha primeira fita de batida. Ele me deu muito amor e disse, ‘Ei, venha com mais algumas coisas.’ Minha segunda fita de batida é onde ele ouviu ‘The Clapper‘ e ele disse, ‘Eu quero aquele bem aí.’”

Cada música em Detroit é ancorada pela produção rica e inovadora de Dilla. Até o momento ele começou a trabalhar no álbum, ele estabeleceu seu singular, som, baseados basslines torno silenciado; amostras habilmente invertidas e filtradas; e programação de bateria “fora do ritmo” e timbradas. Além de suas impressionantes performances instrumentais, “Welcome 2 Detroit” é embalado até a borda com excelentes performances vocais também: acrobacias de rima escaldante de Elzhi em “Come Get It” e Frank N Dank em “Pause”, junto com a própria flossy e ostentosa de Dilla orgulha-se por toda parte. E também nativo de Detroit (e parceiro de Dilla no grupo 1st Down) Phat Kat aparece no corte de destaque “Feat. Phat Kat, ”soltando barras autoconfiantes em uma batida saltitante e assustadora. A química de Kat com Dilla obra é óbvia – o resultado de uma estreita relação de trabalho que já durava quase uma década quando Detroit  foi lançada.

Enquanto “Welcome 2 Detroit” contém muitos acenos ao som “clássico” de Dilla, o álbum é elevado pela força de sua incansável experimentação sonora. Em uma homenagem à história de Detroit como o berço do techno, “BBE (Big Booty Express)” transforma o “Trans-Europe Express” do Kraftwerk em um hino decadente de strip club. Em “Think Twice”, Dilla pega o microfone para cantar um cover do clássico jazz-funk de Donald Byrd de 1975, exercitando suas habilidades de canto com uma banda de apoio que consiste no nativo de Detroit Dwele nas teclas, baixo e trompete, e seu irmão Antwan Gardener no trombone. Dilla também toca bateria na faixa, e os esforços combinados do trio transformam o corte da dança jazz em uma peça lenta e sonhadora. De um momento para o outro, o tom do disco pode mudar completamente – da batida barulhenta do órgão e da bateria de “Give It Up”, para o ritmo funky e mínimo de “It’s Like That”.

Ao longo do álbum, é a habilidade de Dilla em executar uma ampla variedade de idéias musicais que causa a melhor impressão. Com curvas estilísticas como “Rico Suave Bossa Nova” e um cover fiel do hino funk pan-africanista de Oneness of JuJuAfrican Rhythms”, o álbum atravessa a música eletrônica de dança, sons africanos e latinos de todo o mundo, mas permanece firmemente enraizado nas raízes da cena rap de Detroit.

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações