Home Editorial Peça teatral “Será Que Vai Chover?” valoriza protagonismo negro com histórias cotidianas

Peça teatral “Será Que Vai Chover?” valoriza protagonismo negro com histórias cotidianas

por ZonaSuburbana

Independente da cor da pele toda pessoa vive histórias cotidianas, porém na TV e cinema negros quase nunca desempenham esses papéis. Segundo dados de estudo publicado em 2015, que analisou 162 telenovelas “globais”, transmitidas entre 1984 e 2014. Dos atores e atrizes escolhidos para personagens centrais nas diferentes produções, apenas 8,7%, na média, eram pretos.

Tendo em vista que essas narrativas criam valores e esses valores interferem na vida das pessoas negras, o Coletivo Preto em parceria com a Príncipes Negros, vem desenvolvendo projetos visando o protagonismo negro em papéis com narrativas cotidianas, que normalmente negros são provados de atuação. Explica o ator Licínio Januário. “A gente vem tentando dar a representatividade que a televisão e o cinema não nos dão, com histórias cotidianas que normalmente são representados por atores brancos”, frisa.

O primeiro trabalho foi a peça “Lívia”, história poética da trajetória de uma mulher, tão simples e incrível quanto qualquer outra, que vê seus planos serem completamente alterados pelos acontecimentos que sua vida lhe impõe.

Agora é a vez de “Será Que Vai Chover?”. O choque de três diferentes visões sobre questões sociais da atualidade resulta no surgimento de uma grande amizade e um triângulo amoroso. A atriz Eli Ferreira e os atores Licínio Januário e Matheus Corcione estreiam com o espetáculo “Será Que Vai Chover?”, no Teatro Eva Herz. A peça narra a relação entre uma atriz, um guia turístico e um ativista social.

No pulsar da percussão da vida, as ideologias de Sandra, Bruno e Yuri se chocam, deixando ainda mais turbulento e ritmado os encontros e desencontros da cidade grande. Munidos de suas visões individuais relacionadas às questões sociais contemporâneas, os três acabam seguindo caminhos desconhecidos.

-Nesse espetáculo trabalhamos a inversão de papéis, são quatro negros em cena e um branco. O que normalmente seria o contrário”, destacou Licínio.

Com os olhares distintos da direção de Matheus Marques e Orlando Caldeira, o espetáculo é uma adaptação do primeiro texto de Licínio JanuárioTodo Menino é Um Rei”, no qual o rendeu o prêmio de melhor ator da 19ª edição do Festival de Teatro do Rio e também concorreu a melhor texto dessa edição. Três anos depois da primeira montagem, o texto evoluiu assim como a audácia em expor as questões sociais.

Embalada ao som dos músicos Reinaldo Junior e Chico Bruno e direção musical de Reinaldo Junior a peça mantém um dos propósitos da primeira montagem que é trazer à tona importância da preservação do samba de roda, que faz parte da trilha do espetáculo.

O espetáculo fica em cartaz terças e quartas-feiras de 5 de junho a 25 de julho, a duração é de 80 minutos e a faixa etária 12 anos. O Teatro Eva Herz fica na Rua Senador Dantas, número 45, Centro, Rio de Janeiro – RJ.

You may also like

Leave a Comment

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações