Home Editorial O rap retorna ao território negro nas rimas de Buia Kalunga

O rap retorna ao território negro nas rimas de Buia Kalunga

por Dj Cortecertu

“É trampo madrugada adentro e acordar cedo no outro dia. Pra 2017, eu tenho algumas coisas engatilhadas, tenho um single pra sair em janeiro e um disco que está no forno”, Buia Kalunga fala sobre seu jeito de trabalhar e planos para o primeiro semestre deste ano.

O educador da Fundação Casa e militante do coletivo Kilombagem, além das suas intervenções cotidianas nos movimentos sociais, manda uma mensagem de otimismo via enfrentamento em suas rimas. Numa mescla de ragga, spoken word e instrumentais que transitam em quebradas sonoras, ruas tensas e climas dançantes, o rapper – que já foi punk – mostra sua originalidade.

Em sua bagagem, Buia Kalunga traz hard core, ancestralidade da capoeira, experiência em escola de samba, envolvimento com o reggae, material implícito em seu rap, mas que escancara sua forma enraizada de fazer música. “Eu colava com os punks do ABC, passei pelo reggae. Já conhecia o rap, participei do grupo Amandla em 2007. Comecei a escrever rap em 2010, mas lancei meu primeiro rap em 2014”, afirma o eclético toaster.

Kalunga sabe bem onde está pisando, os tempos são outros, com outros discursos. “A gente não está mais nos anos 1990, o rap foi combativo na sua origem, até por necessidade. Atualmente, o rap não é mais assim. Tem gente que afirma que essa mudança veio com a tal ascensão da Classe C. Acho que é meio fantasioso, mas faz um pouco de sentido. Políticas sociais avançaram nestes últimos anos no Brasil e possibilitaram um poder maior de consumo pra Classe C, não que isso signifique uma ascensão social. Não acredito nessa história de nova classe média. Mas é fato, o poder de consumo aumentou, isso traz uma falsa sensação de inclusão, de que está tudo bem e de que não é preciso mais falar sobre questões sociais”, conclui o artista.

O racismo cotidiano e o trio Temer, Alckmin e Doria também preocupa Kalunga: “Com a direita ou com a esquerda, o chicote sempre estalou pros pretos periféricos”, comenta o rapper. Com visão crítica, o artista sabe que as coisas podem piorar com o conservadorismo político capitaneado pela direita.

O rap combatente de Buia Kalunga pode ser conferido nos clipes “A Cena”, com outro expoente da música preta, Ba Kimbuta, e “Para Onde Vamos?”, um convite para o mundo revolucionário e periférico. O rapper ainda lançou o single “O bom soldado”, com participação de Denise D´Paula. Se invadiram o território do rap com distorções na história da cultura de rua, Buia Kalunga faz de sua música o aviso de reintegração de posse.

Você pode gosta

Deixe um comentário

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações