Home Editorial A forte conexão entre basquete e hip hop tem um motivo nobre

A forte conexão entre basquete e hip hop tem um motivo nobre

por ZonaSuburbana

O mundo do hip hop é vasto e acaba interagindo com vários outros universos por meio da jornada de vida de artistas e fãs do estilo. Um dos laços mais fortes que o hip hop tem é com o esporte, uma vez que muitos de nós somos torcedores em horas vagas.

O mesmo vale para vários dos artistas que admiramos dentro da cena e da cultura hip hop. Principalmente lá fora, é comum ver artistas sentados à beirada do campo, ou dentro de camarotes, assistindo às partidas de seus times do coração nos ramos de basquete, futebol americano e afins.

Esse envolvimento, às vezes, fica ainda mais forte quando um artista decide entrar de cabeça nesse mundo, que é ao mesmo tempo paralelo ao do entretenimento, mas não deixa de permeá-lo, como já dito. Afinal, conforme mencionado em artigo da Forbes Brasil, que pode ser acessado em https://forbes.com.br, é sempre bom ser criativo e manter uma diversidade em seus investimentos.

Um dos esportes cujos jogos são acompanhados de forma intensa por artistas ligados à indústria do entretenimento é, como se pode imaginar, o basquete. Astros de Hollywood, como os atores Jack Nicholson e Denzel Washington, assim como os membros da banda Red Hot Chilli Peppers, Flea e Anthony Kiedis, podem ser vistos de tempo em tempo pelas câmeras de transmissão das partidas dos Los Angeles Lakers na NBA.

Entretanto, a conexão dos artistas de hip hop com seus times da NBA alcança um patamar totalmente diferente. Um dos grandes exemplos dessa afinidade vem do barão de Nova York, Jay-Z, que foi investidor do seu time de vizinhança, o Brooklyn Nets, por muitos anos. Posteriormente, Jay-Z criaria uma companhia de gerenciamento de carreira de jogadores, a Roc Nation Sports, que inclui em sua clientela vários dos maiores atletas não apenas dos Estados Unidos, mas também do resto do mundo.

Outro desses exemplos, e que ainda está fresco na memória de muitos fãs da NBA, vem do rapper Drake. O canadense foi presença certeira nos jogos do time da sua cidade, o Toronto Raptors, durante várias temporadas. Infelizmente, o time não conseguia tanto sucesso nas quadras e, por isso, começou-se a fazer piada de que o culpado da falta de vitórias era Drake. A coisa, no entanto, mudou totalmente de figura na temporada passada.

Ainda que no início da temporada as casas de aposta que disponibilizam chances de título de ligas de basquete, como a https://www.betfair.com/br, não colocassem os Raptors como favoritos ao título, a equipe tinha potencial para surpreender, principalmente por conta da presença de Kawhi Leonard, ex-astro do San Antonio Spurs, que havia acabado de chegar ao Canadá.

Depois de um árduo caminho, percorrido ao longo da temporada regular e dos playoffs, os Raptors chegaram à final e venceram os Golden State Warriors, campeões das duas temporadas anteriores, levantando dessa forma o título da NBA pela primeira vez na história e dando início ao fim da “maldição de Drake”.

No âmbito esportivo, é interessante notar que é no basquete que se encontra a conexão mais forte entre esporte e hip hop. Ainda que essa visão possa parecer especialmente voltada à cultura dos Estados Unidos – e talvez, em termos de basquete, realmente seja –, o mundo real prova o contrário, uma vez que essas interações são vistas também em lugares como o Brasil, cuja paixão esportiva, como é muito bem sabido, é o futebol.

Em grande parte, essa ligação dos astros do hip hop com o basquete se dá devido à importância desse esporte para sua formação como pessoa. Enquanto o Brasil conta com campos de futebol espalhados país afora, a relação dos Estados Unidos com quadras de basquete é praticamente idêntica. Nas comunidades mais pobres do país, as quadras são tidas como tesouros comunitários, sendo muito mais bem cuidadas do que as praças públicas em que estão localizadas.

Não é por menos que alguns artistas da cena hip hop, como Nelly e 2 Chainz, foram atletas de basquete durante seus anos de Ensino Médio. Hoje, alguns deles frequentam os jogos para acompanhar as celebridades da NBA, como foi o caso de Rapsody e Quavo no ano passado, conforme é possível ler em https://www.terra.com.br. Não fosse pelo destino (e também pela falta de altura, é claro), muitos dos nossos artistas favoritos do passado e do presente talvez marcassem presença não nos palcos, mas sim nas quadras.

You may also like

Leave a Comment

* Ao utilizar este formulário, você concorda com o armazenamento e manuseio de seus dados por este site.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se assim desejar. Continuar Mais informações